“Vips”, Toniko Melo, 2011

Vip's - Cartaz

Vip's - Cartaz

“Vips”, é o filme de estreia do diretor Toniko Melo, baseado no livro de Mariana Caltabiano, “VIPs – Histórias Reais de um Mentiroso”, e conta a história de Marcelo Rocha, um simplório golpista, que consegue, com sua ousadia e personalidade atormentada, enganar de traficantes, policiais e a high society brasileira.

Impossível não lembrar de “Prenda-me se for Capaz” de Spielberg, com alguns golpes de Marcelo. Mas as histórias são bem diferentes e a aproximação entre os personagens de Wagner Moura e Leonardo DiCaprio param na facilidade que os dois possuíam de serem rápidos e convincentes em suas mentiras.

O Marcelo Rocha do filme é um personagem carismático e em certos momentos, até ingênuo. Quem dá vida a esse personagem é Wagner Moura, em mais um grande trabalho. Impressionante a capacidade de transformação do ator apenas com seu olhar.

Confesso que em alguns momentos iniciais senti certo exagero eufórico na interpretação do personagem, mas temos também que lembrar que o mesmo ator, o Wagner, interpreta Marcelo Rocha desde sua adolescência, e os adolescentes são inexplicavelmente, eufóricos. Mas ainda assim, ainda que coerente, chega a me incomodar.

Ao contrario do que já se falou em algumas críticas, pessoalmente acho que o personagem Marcelo Rocha, mais interessante ainda por dar golpes com certa ingenuidade. Não para simplesmente ficar rico, ou chegar a algum lugar, o mais curioso é justamente isso. Nem ele mesmo sabe onde quer chegar. Ele vive tão profundamente a mentira, que confunde a sua realidade com a do próprio personagem que cria.

Entre as virtudes do filme, que são muitas, está a fotografia de Mauro Pinheiro Jr, em mais um grande trabalho. Mauro é responsável por belas fotografias em filmes como “As Melhores Coisas do Mundo” e “A Casa de Alice” entre inúmeros outros, e aqui realiza mais uma fortografia acertadíssima. As cenas de vôo em especial são muito bem realizadas, também as sequências noturnas como a do “voo kamikaze” são ótimas, nada se perde na fotografia dele. Juntando tudo isso a boa decupagem de Toniko Melo, o filme fica visualmente encantador.

A música é outro grande acerto. Por sinal, a música é parte diegética do filme. Muito presente. Tem função fundamental no “contar a história”. O responsável pela trilha é Antônio Pinto, que na minha opinião é, juntamente com Jacques Morelembaum, os dois melhores compositores de trilhas sonoras do país.

Mas um bom filme precisa principalmente de duas coisas. Um bom roteiro e boas interpretações. E aí temos o trabalho de Bráulio Mantovani, roteirista de “Cidade de Deus” e o estreante em roteiro de longa metragem Thiago Dottori. O roteiro é claro, de fácil compreensão, sem barrigas. Conta no tempo certo o que precisa ser contato só com imagens, e pra isso usa algumas “brincadeiras” bem sutis durante o filme, e com falas quando realmente é necessário ser falado. É um roteiro bem equilibrado nesse sentido.

O elenco é encabeçado pelo ótimo Wagner Moura, mas também conta com coadjuvantes maravilhosos. O diretor e sua produtora de elenco, Cecília Homem de Melo, escalaram um elenco excepcional. Wagner Moura (Marcelo), Gisele Fróes (Sílvia) e Jorge D’Elia (o Patrão) ganharam o prêmio no Festival do Rio por suas interpretações. As premiações apenas refletem como o conjunto de todo elenco do filme funciona muito bem.

“Vips” diverte, mas é também um filme crítico sem arrogância, não crítico moralmente falando, pelo contrário, um outro acerto do filme é não julgar seu personagem. O filme é crítico a algo maior, ao comportamento da sociedade e não de uma única ação. O roteiro é cheio de metáforas e consegue equilibrar bem a ação e tensão do filme, com o humor.

A historia, claro, dramatizada para a ficção, é simples e muito envolvente. Da maneira como a historia é contada pelo diretor somado ao carisma de Wagner Moura, é impossível não se envolver e torcer pelo anti-heroi Marcelo.

O tipo de narrativa é muito fácil de se agradar o grande público. Esse fato é comprovado por “Vips” ser a melhor estreia do final de semana no país segundo dados do portal FilmeB.

Provavelmente não será o filme candidato pelo Brasil ao próximo Oscar (outros bem menos merecedores já foram), ou ainda um filme ovacionado pelo cinéfilos mais cabeças. Mas podemos afirmar sim, que “Vips” é um filme muito bem realizado, na verdade, um conjunto de boas realizações, com ótimos momentos, e com certeza será um dos grandes filmes brasileiros do ano.

Jair Santana

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: