“Forrest Gump” – Alan Silvestre

Filme: Forrest Gump
Diretor: Robert Zemeckis
Ano: 1994
Música: Forrest Gump Main Theme
Composição: Alan Silvestre
Trilha Sonora do Filme: Alan Silvestre

“Batman – O Cavaleiro das Trevas” – Christopher Nolan, 2008

batman-cavaleiro-das-trevas-poster03“Pra quem achava que não existia vida inteligente no cinemão, assista ‘Batman – O Cavaleiro das Trevas”. Esse comentário não é meu, e sim de um dos maiores pensadores e críticos de cinema no Brasil, Luiz Carlos Mertem.

“Batman – O Cavaleiro das Trevas” é o mais surpreendente filme de um heroi de quadrinhos realizado até os dias de hoje. Apesar de algumas críticas sobre supostos furos de roteiro, achei o contrario, o roteiro muito bem amarrado. A fotografia noir de Wally Pfister muito bem realizada, com detalhes surpreendentes, como ser mais escura nas bordas que no centro por exemplo. Algo típico do cinema noir e fotografias antigas.

O filme conta com um elenco estrelar, Christian Bale (Bruce Wayne / Batman), Michael Caine (Alfred Pennyworth), Morgan Freeman (Lucius Fox), Gary Oldman (Tenente James Gordon) , que também trabalharam no ótimo “Batman – Begins”.

Mas esse novo filme da série “Batman – O Cavaleiro das Trevas”, conta com um plus. A surpreendente interpretação de Heath Ledger como o Coringa. Digamos que na minha opinião, não temos um vilão como esse desde o Hannibal Lecter interpretado por Anthony Hopkins em “O Silêncio dos Inocentes” em 1991. Ledger realmente foi uma perda monstruosa para o cinema.

E nesse filme isso fica muito claro. É de emocionar, o fato de que não teremos mais o prazer de vê-lo na tela. Não teremos mais novos filmes com esse, que até então, foi com certeza, o maior ator de sua geração.

 

 

Assim como no primeiro Batman de Nolan, Gothan City é uma cidade caótica no meio de violência, mafiosos, e uma polícia corrupta. Não muito diferente da maioria das grandes cidades do mundo, e talvez, essa aproximação e identificação com o público, seja uma das grandes armas do filme.

Identificação não com um personagem ou outro, mas pelo estado de “cansado” com tudo que está havendo, e a busca, por um herói, não necessariamente, politicamente correto, já que as coisas se encontram em tal ponto, que não mais esperamos, nós cidadãos comuns, e o povo de Gothan, que haja justiça, e sim um justiceiro.

Um detalhe interessante. Acho que o filme ficou tão bom, como ficou por um motivo muito importante. Nolan, além de roteirista e diretor, é o produtor do filme. Ou seja, o filme é como cinema autoral. Algo cada vez mais dificil principalmente nos EUA, mais principalmente ainda em cinema Hollywoodiano. Nolan tem poder absoluto sobre o filme, e isso é o verdadeiro cinema. O produtor não é um artista, o diretor sim.

Fica agora, a espera de um próximo Batman de Nolan. Qual será o vilão que ele irá enfrentar? Será que ainda podemos esperar mais um Batman? Será que ainda cabe mais um Batman desse desse que foi surpreendentemente maravilhoso?

Jair Santana