“A Má Educação”, Pedro Almodovar, 2004

maeducacaoQuando criança, Ignacio (Gael Garcia Bernal) estudou em um colégio interno católico. Lá ele sofreu abusos sexuais por parte de seu professor de Literatura, o padre Manolo (Daniel Gimenez, que marcaram sua vida para sempre. Ignacio se apaixona por um colega do colégio, Enrique (Fele Martínez), que termina sendo expulso por ciúmes do Padre Manolo.. Vinte anos mais tarde, Ignacio reencontra Enrique, com quem relembra várias histórias do passado de ambos no colégio e por fim …bom … acreditem existe mais trama ainda nesse filme. Só vendo.

Pedro Almodóvar é um diretor sempre polêmico, inteligente, ousado. O melhor de tudo é que ele não cria uma polêmcia gratuita. Não ataca. Faz pensar. Assim foi em “Maus Hábitos”, em “Tudo sobre minha mãe” e “Fale com Ela”.

Agora em “A Má Educação” almodovar não ataca a igreja, não diz que seu herói é perfeito. Eu diria que Almodovar faz o filme no estilo “noir”, como fez em “A Lei do Desejo”.

Mais uma vez também,  Almodóvar faz um filme tecnicamente perfeito. Fele Martínez (Enrique Goded)e Gael Garcia Bernal (Ignácio / Zaíra) estão ótimos, fortes, convincentes. Infelizmente a participação Leonor Watling (Mônica) é pequena, pois ela é linda e além de uma atriz maravilhosa, trabalhou com Almodoar em “Fale com Ela”.


 

“Má Educação” foi o primeiro filme espanhol a abrir o festival da Cannes. Recebeu 7 indicações ao European Film Awards ( Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia, Melhor Trilha Sonora, Melhor Diretor – Júri Popular e Melhor Ator – Júri Popular -Fele Martinez).

Realmente a trilha é um show a parte, o que também já uma característica dos filme de de Almodóvar. Trilhas fortes e marcantes.

Não é dos melhores filmes do diretor, não está entre seu top 3, mas “A Má Educação” ´e um ótimo filme. “Fale com Ela” pra mim, é o grande filme da vida de Almodóvar. Costumo falar que é o “Hor Concours”. da carreira do diretor.

“A Má Educação” lembra seus filmes em muitos momentos, seus outros filmes, talvez por isso não seja o melhor dele. É uma historia que parece de alguma forma, já ter sido contada por ele mesmo. Paixões arrebatadoras, frustrações, política de costumes que impendem o afloramento de sentimentos verdadeiros.

Enfim, o diretor é rei em criar personagens realmente humanistas. Que amam, odeiam, que sentem medo, personagens que acordam sem parecer maquiados, que se desarrumam, Almodóvar cria pessoas reais.

Não atoa, Pedro Almodóvar, não é um diretor somente espanhol, mas sim, um dos maiores mestres do cinema mundial da atualidade.

Jair Santana

Anúncios

“Steamboy”, Katsuhiro Ôtomo, 2004

steamboy-poster01

Steamboy

Do mesmo diretor de “Akira” e “Metropolis”, o mestre da animação japonesa Katsuhiro Otômo, traz para o cinema “Steamboy”. Animação ambientada num século 19 pra lá de moderno.

Na historia, Ray Steam é um jovem inventor que recebe de seu avô, uma estranha bola de metal conhecida como Steam Ball, que fornece uma incrível energia. Esta incrível invenção, é detentora de uma nova espécie de energia, que tem a capacidade de suprir uma nação inteira. Ao tentar proteger a esfera da inescrupulosa Fundação O’Hara, Ray descobre aos poucos os fantásticos poderes que a bola possui. A partir daí, a trama se desenvolve.

A filmografia completa do Katsuhiro Otômo é pequena, mas de grande importância no mundo da animação. Sou apaixonado por ele. Akira por exemplo é um clássico do anime. Ou melhor, na minha opinião, O CLÁSSICO MAIOR dos animês. Metropolis por exemplo, apesar de não ser criação dele, e sim do Osamu Tesuka, foi o Katsuhiro o responsável por trazê-lo ao cinema.

“Steamboy” é incrivelmente bem feito, foram quase 10 anos de produção, ao custo de 20 milhões de dolares. A mais cara animação já realizada no Japão.

A técnica utilizada por Katsuhiro Ôtomo em “Steamboy” é manual. Foram necessários mais de 180.ooo desenhos manuais para realização do projeto.  A  técnologia, foi utilizada para finalização e sem exageros. Resultando num projeto sensivel e grandioso.

A historia, apesar de se passar no século 19 é super atual. Se discute a corrida armamentista, a ganância pelo poder e da disputa dos grandes conglomerados empresariais pelo mercado de armas. Um filme realmente imperdível, e não somente para quem gosta de animação.

Jair Santana

“Esqueceram de Mim” – John Williams

Filme: Esqueceram de Mim
Direção: Chris Columbus
Ano:
1990
Música: Música Tema de Esqueceram de Mim
Composição: Jonh Williams
Responsavel pela Trilha do Filme: Jonh Williams

 

“Hoje a Noite Não Tem Luar” – Legião Urbana

Album: Legião Urbana Acústico
Música: Hoje a Noite Não Tem Luar
Ano: 1999
Compositor: Menudo